REISADOS DE MUCUGÊ SÃO TRADIÇÃO E ALEGRIA

Flores de Mucugê. Foto: Planeta Animal Mucugê

Reisado é uma festa popular de tradição católica europeia, incorporada ao folclore brasileiro. Reproduz a trajetória dos Reis Magos, desde que sabem do nascimento do Messias até o momento que o encontram, conduzidos pela estrela-guia.

Como a maioria das tradições cristãs, é possível que o mito dos Reis Magos tenha origem anterior em algum ritual pagão absorvido pelo cristianismo. A Estrela de Belém, que anuncia o a boa nova, é a mesma Estrela do Oriente, o Escudo de Davi, dois triângulos combinados que representam a união dos opostos, ligação de Terra e Céu, símbolo da elevação da Consciência.

Na idade média, autos litúrgicos, como o dos Magos do Oriente, tinham o objetivo de ensinar a história cristã e doutrinar o povo. Eram realizados no interior dos templos, e depois se desdobraram em cortejos que saiam das igrejas e desfilavam pelas ruas, levando a mensagem da boa nova: o nascimento do Salvador. Desde essa época, era hábito haver grupos peditórios de cantores e músicos que saiam pelas áreas periféricas e rurais coletando doações de alimentos.

No Brasil é comum que a formação dos grupos surja a partir de uma promessa assumida por um padrinho ou madrinha, que é responsável por fazer o estandarte e manter ele durante sete anos, para agradecer a graça alcançada.

Na Bahia Reisado também é conhecido como Terno de Reis. Talvez porque a “boa nova” era anunciada por três vozes, a primeira, a segunda e a oitava, que, cantadas juntas, podiam ser ouvidas de longe.

Nesse festejo lúdico os brincantes, representando os Reis do Oriente, pedem permissão para entrar nas casas com seu estandarte, cantando e dançando, e são recebidos com comidas e bebidas. Cada localidade tem suas próprias cantigas, orações, ladainhas, danças, roupas e performances. Na folia, sagrado e profano se misturam, resultando em um simbolismo cultural que trás elementos das tradições orais da comunidade.

Reisado e Burrinha são manifestações que se confundem na Bahia, já que saem no dia de Reis. A Burrinha e o Boi  são parte da mitologia do nascimento de Jesus Cristo: uma burrinha e um boi protegem a Sagrada Família na manjedoura.

As Festas de Reis acontecem em quase toda Chapada Diamantina. Primeiro os reis batem na porta da casa visitada, fazem o louvor dos Santos Reis, depois cantam e tocam violas, pandeiros, triângulos, gaitas e outros instrumentos, em troca de comida, bebida e oferendas.

Em Mucugê tem festa na sede e em povoados como Barriguda, com destaque para o Reis Burrinha de Ouro, que existe desde a metade do século XX e tem a participação de mais de 60 homens – a Burrinha é uma armação revestida de pano, com cabeça de madeira e orelhas de lata. E também o Reis das Mulheres, conhecidas como “Flores de Mucugê”. São mais de 100 mulheres, de todas as idades e origens, com roupas coloridas, bastões de flores e lanternas, que saem em desfile pelas ruas da sede.

Nas fotos a saída das Flores de Mucugê no último dia 10 de fevereiro.

Imagem padrão
Luciana Moniz
Artigos: 28

Deixar uma resposta